BREVES
Outra vez não!
A publicação dos resultados dos concursos da DGArtes para os próximos dois anos deixa claro que as preocupações do CENA-STE, dos profissionais dos espectáculos e das estruturas de criação não eram infundadas. Afirmamos há muito que, independentemente do modelo de concurso, o essencial é garantir um aumento significativo de verbas que permita a estabilidade das companhias já apoiadas e o apoio às novas estruturas. O Sindicato dos Trabalhadores de Espectáculos, do Audiovisual e dos Músicos apela a todas as estruturas, apoiadas ou não, a que participem nas acções que convocaremos nos próximos dias.
Atrasos nos resultados dificultam a vida às companhias.
Em Março último o Ministério da Cultura anunciou que os resultados dos Apoios Sustentados Bienais seriam publicados até final de Setembro. A publicação atempada dos resultados permitiria uma maior estabilidade nas estruturas de criação, exigência que tem sido afirmada repetidas vezes. Apesar da palavra dada pelo ministério de que os resultados sairão até meados deste mês de Outubro, o CENA-STE reafirma aquilo quem tem sido a sua posição: apesar de alguns avanços positivos, com este novo modelo é possível ir mais longe e o verdadeiro avanço será a concretização do 1% do Orçamento de Estado para a cultura, permitindo assim acesso generalizado ao principio constitucional de criação e fruição cultural.
Suspensas as greves no OPART, EPE
Os trabalhadores do OPART, EPE decidiram ontem, dia 6 de Julho, pela suspensão dos pré-avisos de greve vigentes, mas esta suspensão não indica que se tenha encontrado a solução para todas as reivindicações e problemas laborais criados pelos factos e decisões das últimas semanas. Esta suspensão acontece porque os trabalhadores consideraram que o novo Conselho de Administração da empresa demonstrou ter a capacidade, em cerca de 48 horas, de propor um caminho de compromisso e negociação em que reconhece que os trabalhadores e o CENA-STE fazem parte da solução e em que se pretende fazer uma negociação com um horizonte mais profundo do que até agora tinha sido proposto. O CENA-STE e os trabalhadores continuam a considerar que houve um erro e que esse erro é da total e inteira responsabilidade do Governo e necessita de ser emendado. Mas como sempre afirmámos, estes trabalhadores não têm uma postura de intransigência ao contrário daquela demonstrada pela Ministra da Cultura e pelo Governo. Esperamos que nesta nova fase também as acções e decisões das tutelas demonstrem uma nova capacidade de escuta relativamente às condições específicas e de elevada exigência em que estes trabalhadores desenvolvem a sua actividade.
Porquê a greve no TNSC e CNB?
Sim, a greve é por questões laborais, mas é convicção dos trabalhadores que o respeito pelos seus direitos estará sempre intimamente ligado ao respeito dos governos e das administrações, sejam eles quais forem, pelo cumprimento da missão artística desta que é a maior empresa artística pública do país. Porque o que moveu, move e moverá os trabalhadores do TNSC e da CNB é e será sempre a reputação e o prestígio artístico da empresa e a garantia de que o público sabe que ali encontrará sempre a qualidade. E por isso, sim, esta greve é também pela missão artística do OPART.
Órgãos Sociais
 
Mesa da Assembleia-Geral
Presidente - Carmen Santos - actriz
Secretária - Rita Namorado - músico
Secretário - Pedro Salvador - músico
Suplente - Andreia Egas - actriz
 
Direcção
Ana Cláudia Serrão - músico, Orquestra Metropolitana de Lisboa 
Carla Bolito - actriz
Catarina Grilo - bailarina, Companhia Nacional de Bailado
Daniel Varela - técnico de iluminação, TN D.Maria II
Filipa Malva* - cenógrafa e figurinista
Gonçalo Gregório - director de cena, Teatro do Bolhão e TMP 
Herlander Valente - contra-regra, TN São Carlos
Hugo Barros* - produtor 
Joana Manuel* - actriz e cantora
João Barreiros* - técnico de iluminação
Luís Pacheco Cunha* - músico
Margarida Barata - actriz e produtora
Miguel Raposo - assistente de realização
Pedro Madeira* - assistente de realização
Rui Alves - músico
Rui Galveias* - músico
Sérgio Moreira - técnico de iluminação, Teatro da Trindade
Sofia Leal* - produtora
 
*membros da Comissão Executiva
 
Conselho Fiscalizador
Augusto Portela - actor
Hélder Gamboa - actor e encenador
Tiago Santos - músico
Suplente - Pedro Estorninho, actor e encenador